Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Jurisprudência pró-consumidor

Com 140 milhões de clientes, bancos batem recordes de ações na Justiça

Com mais de 140 milhões de clientes, segundo estimativas do Banco Central, as instituições financeiras no Brasil batem recordes não apenas nos lucros, mas também em ações judiciais movidas pelos consumidores para questionar alguns dos quase 310 milhões de serviços bancários que prestam. Seja qual for a pendência, o que não falta aos tribunais é jurisprudência para apontar a melhor solução para a resolução do caso concreto.

O Superior Tribunal de Justiça, que uniformiza a jurisprudência brasileira nas questões infraconstitucionais de diretos público e privado, por exemplo, tem uma série de decisões que tratam dessa relação. Entre elas, destacam-se as que tratam das cobranças de taxas.

Em recurso repetitivo, cuja decisão vale para todos os casos idênticos no país, o STJ decidiu que não há legalidade na cobrança da taxa administrativa para abertura de crédito (TAC) nem de emissão de carnês (TEC) em contratos de financiamento celebrados depois de 30 de abril de 2008, quando passou a vigorar a Resolução 3.518/2007, do Conselho Monetário Nacional (CMN).

O tribunal também já tem decisão consolidada em relação à cobrança de juros: quando o contrato não especificar essas taxas, o banco deve aplicar a taxa média de mercado, divulgada pelo Banco Central e praticada nas operações da mesma espécie. O entendimento consta da Súmula 530 do STJ, em vigor desde maio. Pelo texto, a taxa média do mercado só não pode prevalecer quando a taxa cobrada pelo banco for mais vantajosa para o devedor.

O acesso de pessoas com necessidades especiais ao sistema bancário também já foi objeto de decisão da Justiça. Os bancos são obrigados a utilizar o sistema Braile na redação dos contratos de adesão e todos os demais documentos fundamentais para a relação de consumo com deficientes visuais.

Cheques e cartões
Outra controvérsia que já conta com jurisprudência diz respeito à indenização por danos morais ao emitente do cheque a ser paga pelo banco nos casos de devolução do título por insuficiência de fundos quando o cheque for apresentado fora do prazo legal e já estiver prescrito. O entendimento dos tribunais decorre da Lei 7.357/85, que dispõe sobre o uso de cheque no país. Segundo a norma, "a existência de fundos disponíveis é verificada no momento da apresentação do cheque para pagamento".

Também é cabível a indenização ao consumidor nos casos de depósito de cheque falsificado com valor superior ao verdadeiramente emitido. As decisões proferidas pelo STJ vão no sentido de que o consumidor pode reaver prejuízos decorrentes da compensação do título, independentemente da qualidade dessa adulteração.

Outra decisão importante do STJ foi proferida em abril de 2013, pela 4ª Turma. O colegiado condenou um banco a responder pelos danos causados por fraudes ou delitos praticados por terceiros, incluindo nos casos de clonagem de cartão de crédito. Para o STJ, a responsabilidade decorre de violação da obrigação da instituição financeira de gerir com segurança as movimentações bancárias de seus clientes.

Nessa linha, o STJ também já definiu ser possível a indenização ao consumidor que recebe cartão de crédito sem sua prévia e expressa solicitação. O envio deliberado é considerado ato ilícito, cabendo também aplicação de multa administrativa, segundo a Súmula 532, editada pelo tribunal em junho deste ano. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ. 

Revista Consultor Jurídico, 21 de setembro de 2015, 19h39

Comentários de leitores

4 comentários

Verdade, Coelho

Leandro Melo (Advogado Autônomo)

Só essa taxa média de mercado compensa qualquer decisão contrária aos bancos, só ela já dá lucros bilionários. Qualquer condenação de banco fica irrisória perto dela.

PLANOS ECONÔMICOS também

RENATO SOUZA (Advogado Sócio de Escritório - Consumidor)

Magistrados de quase todas as Comarcas do País. Desembargadores de todos os Tribunais de Justiça e dos Regionais Federais, bem como os Ministros do STJ, mediante recurso repetitivo, já decidiram que os poupadores têm direito ao recebimento dos expurgos inflacionários provocados pelos planos econômicos "bresser", "verão", "collor I e II", mas o STF resolveu, decisão monocrática, contrariar todos os magistrados do País, encher os escaninhos de processos (440 mil), e simplesmente sobrestar os feitos para proferir decisão uniforme a todos os casos (cabe ressaltar que nunca houve divergência). Passados 05 anos o STF continua "sentado" sobre o caso. E, cabe sempre lembrar, o hipossuficiente na relação é o poupador/cliente. A verdade é que os bancos determinam os rumos do País e dos podêres constituídos.

Engodo!

Coelho (Advogado Autônomo)

Essa taxa média de mercado é o maior engodo que existe. Não há publicidade por parte do banco central qual a taxa média de mercado aplicada em determinado período.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 29/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.