Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ofensas extrapolaram

Reinaldo Azevedo, Veja e Jovem Pan são condenados a indenizar Laerte

Houve evidente excesso no texto escrito pelo colunista Reinaldo Azevedo na revista Veja e lido por ele na rádio Jovem Pan, no qual ofendeu a cartunista Laerte. Em texto publicado em agosto, o jornalista chamou a cartunista de "fraude moral", "baranga moral", "fraude de gênero" e "fraude lógica". Para o juiz Sang Duk Kim, da 7ª Vara Cível de São Paulo, Azevedo violou a intimidade e a vida privada da artista. O colunista, a revista e a rádio foram condenados a pagar R$ 100 mil de indenização por danos morais.

"O fato é que a impossibilidade da censura não pode ser confundida com a ausência de responsabilidade por excessos na ato da sua manifestação. E é evidente que excesso houve, na medida em que os seus comentários tecerem considerações pessoais do cartunista, depreciando-o em sua honra, o que desbordou do contexto da charge de sua autoria", disse o juiz na decisão.

No texto que deu origem ao processo, Reinaldo Azevedo criticou uma charge feita por Laerte Coutinho para o jornal Folha de S.Paulo na qual manifestantes a favor do impeachment tiram selfies com policiais mascarados. A abordagem saiu do campo político e foi parar na vida pessoal da cartunista. 

"Na sua insaciável compulsão por mandar a lógica às favas — ele pensa mal não importa como esteja travestido —, afirmou ainda: 'Eu sou uma pessoa transgênera e quero usar o banheiro feminino'. Laerte acredita que o fato de ele 'querer' alguma coisa transforma essa coisa num direito. Mais: salvo demonstração em contrário, o banheiro feminino é reservado às mulheres, e a menos, então, que sejam consultadas, essa maioria não poderia ser submetida aos desejos da minoria 'transgênera' — na hipótese, não comprovada, de que ele representasse a dita-cuja, o que também é falso", escreveu Azevedo.

A charge de Laerte publicada no jornal Folha de S.Paulo que deu origem à discussão com Reinaldo Azevedo e ao processo na Justiça. Reprodução/Folha de S.Paulo 

 

Revista Consultor Jurídico, 20 de dezembro de 2016, 15h42

Comentários de leitores

6 comentários

Bizarro...

Gabriel da Silva Merlin (Advogado Autônomo)

E as pessoas que vivem chamando qualquer um que discorde das suas opiniões de "fascista, racista e xenófobo"? Muito provavelmente a decisão foi dada pelo fato da Juíza ter a mesma linha ideológica da "ofendida".

Também ouso discordar

Alexandre S. R. Cunha (Economista)

Ora, o Laerte foi muito mais agressivo que o Reinaldo! Que aliás estava também certo no mérito.

Ouso discordar

Helio Almeida (Administrador)

Desculpem mas terei de discordar: "...manifestantes a favor do impeachment tiram selfies com policiais mascarados." Na verdade o desenho mostra os manifestantes confraternizando com mascarados que, tudo indica, acabavam de perpetrar uma chacina.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/12/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.