Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Descortesia na função

Juíza de Guarulhos é afastada por gritar com advogados e faltar ao fórum

Por 

O Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu, nesta quarta-feira (19/4), afastar a titular da 8ª Vara Cível de Guarulhos (SP) com base em relatos segundo os quais ela gritou com advogados, recusou-se a atender alguns desses profissionais em seu gabinete, faltou várias vezes ao fórum e “maquiou” atrasos em julgamentos. Por unanimidade, os 25 desembargadores do Órgão Especial viram indícios suficientes de que foram descumpridas regras da magistratura.

A juíza Márcia Blanes passa a responder a processo administrativo disciplinar e, somente se responsabilizada no exame do mérito, sofrerá alguma sanção. O pedido foi feito pela subseção em Guarulhos da Ordem dos Advogados do Brasil, que reclamou da falta de “tratamento urbano” à classe, criticou demora em decisões e apontou faltas constantes.

Segundo os relatos apresentados ao tribunal, a juíza disse que não atendia advogados porque “precisava trabalhar” e chegou a levar uma advogada “aos prantos”. O relator e corregedor-geral da Justiça, Manoel Pereira Calças, afirmou que a falta de cortesia ficou comprovada por testemunhas, como um escrevente que atua no gabinete.

O desembargador considerou “inusitada” a presença de mais de cem advogados na vara quando a unidade passou por correição, em outubro do ano passado. “Confesso que nesse um ano e três meses de gestão já tivemos outros casos de falta de urbanidade, mas sempre se encontram quatro ou cinco advogados”, afirmou durante o julgamento.

Home office indevido
Na defesa prévia, Márcia Blanes disse que ficou “perplexa” com as alegações de que desrespeitou advogados. Ela também reconheceu nem sempre ter ido ao fórum, mas alegou à Corregedoria que “estava constantemente em conexão”, pois julgava processos em casa, na modalidade teletrabalho.

O corregedor afirmou que o home office é vedado a juízes em primeiro grau, porque suas atribuições não se resumem a assinar sentenças e despachos: prova disso é que o cartório apresenta atrasos e falhas na rotina processual, sem fiscalização eficiente da titular da vara.

Outro problema, segundo ele, é que os processos prontos para julgamento não iam para a fila de conclusão. Em vez de seguir esse procedimento padrão, a juíza “pinçava” processos de outras filas para julgar. Na avaliação do corregedor, a prática “maquiou” o número correto de ações que aguardam sentença, prejudicando a análise sobre a produtividade.

Calças citou ainda média desproporcional de rejeição de petições iniciais. Enquanto as outras nove varas cíveis de Guarulhos apresentam índice de 10%, na 8ª vara havia o “espantoso” percentual de 79% — 95% dessas decisões acabavam reformadas no TJ.

O relator, a princípio, considerava desnecessário o afastamento, porque Márcia Blanes pretendia ser removida para uma vaga na capital paulista. O desembargador Ricardo Anafe e o presidente da corte, Paulo Dimas Mascaretti, consideraram que os graves indícios deveriam deixá-la longe das funções. O corregedor concordou com a medida.

Pesou o fato de que ela já respondeu a 35 representações em 18 anos de carreira, a maior parte delas relacionadas a relatos de tratamento descortês. A corregedoria chegou a fazer algumas recomendações, mas nem todas foram atendidas, segundo os desembargadores.

Processo 137.944/2016

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 19 de abril de 2017, 19h07

Comentários de leitores

17 comentários

Juizite? até quando?

SÉRGIO LOBO (Advogado Assalariado - Trabalhista)

Chega de ataques de juizites. Até por que, não existe legalmente hierarquia entre Juízes, Advogados e membros do Ministério Público.

Tardou, provavelmente

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

De fato, como bem observado por outros comentaristas abaixo, a Corregedoria demorou como de praxe a atuar, provavelmente causando prejuízos não só aos advogados e jurisdicionados como a própria Magistrada, que certamente necessita de ajuda especializada para superar o que parece ser dificuldades de relacionamento e outros problemas. Infelizmente, ainda no Brasil prevalece uma visão punitiva, que no caso em específico vem contrabalanceada com a mentalidade acobertatória, agravando ainda mais a situação. O é bandido, ou é santo. Magistrados são seres humanos como quaisquer outros, e naturalmente estão sujeitos a problemas comportamentais diversos. Nesses casos, deve-se pensar antes na recuperação, e não na punição, embora o gosto das massas e de boa parte dos operadores do direito tenta naturalmente apenas para a punição.

Dr. Carlos 2

_Eduardo_ (Outro)

é de pouco controle das iniciais. O processo acaba seguindo com muitos vícios, omissões, questões não esclarecidas. Enfim, dado ao estado das coisas atuais, ser um pouco mais rigoroso nesse controle seria bastante salutar para o sistema de justiça.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/04/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.