Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Espaço aberto

Mercado Livre não responde por fraude em anúncio dentro do site, diz STJ

Quando há fraude na compra e venda de um produto divulgado na internet, a responsabilidade pelo dano não pode ser imputada ao veículo de comunicação, que não participou da elaboração do anúncio e tampouco do contrato.

Assim entendeu o ministro Moura Ribeiro, do Superior Tribunal de Justiça, ao derrubar acórdão que mandava o site Mercado Livre indenizar duas pessoas que depositaram R$ 30 mil por um veículo, mas não receberam o automóvel.

O juízo de primeiro grau avaliou que a empresa apenas oferece espaço para terceiros divulgarem e pesquisarem produtos. A sentença afirma que o Mercado Livre funciona como “canal facilitador dos negócios”, sem participar diretamente.

Em segunda instância, no entanto, a 26ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo concluiu que o site não pode ser comparado a “mero classificado”, pois lucra com a intermediação entre o comprador e o anunciante e tem mecanismos de segurança para evitar prejuízo ao consumidor.

Condenada a pagar R$ 30 mil por dano material mais R$ 3 mil por dano moral, a empresa recorreu ao STJ. O escritório Soares Bumachar, que atuou no caso, conseguiu restabelecer a sentença, em decisão monocrática.

Para o relator, o acórdão do TJ-SP “desafia a orientação jurisprudencial consolidada no âmbito desta Corte Superior”. Ribeiro citou precedentes que isentam empresas jornalísticas e sites semelhantes.

Clique aqui para ler a decisão.
REsp 1.639.028

Revista Consultor Jurídico, 22 de abril de 2017, 9h24

Comentários de leitores

2 comentários

Fundamentação diversa.

Jaspestana (Juiz Estadual de 2ª. Instância)

Complementando: ao ler o voto, vejo que precedente citado diz com venda por classificado de jornal, coisa bem diversa.......

Cobra pelo serviço deve responder.

Jaspestana (Juiz Estadual de 2ª. Instância)

O Mercado é livre só no nome, tem regras (muitas) e cobra uma comissão de 11% sobre o valor da venda. Não é de forma alguma mero facilitador de compras. Atribui nota aos vendedores, exige identificação ao se cadastrar, estabelece formas e meios de pagamento. Vênia ao decisum ( monocrático) más tenho que a responsabilidade é plena.

Comentários encerrados em 30/04/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.