Consultor Jurídico

Notícias

Disputa na classe

Comissão aprova projeto que estende poderes de delegado para policiais

Comentários de leitores

7 comentários

De mau a pior

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

Quando o STF rasgou dispositivos da CF e determinou que o MP investigasse crimes, o índice de criminalidade que já andava crítico na época, ficou pior desde então.
Mas algumas corporações, ainda insatisfeitas por não terem conseguido até hoje extinguir o cargo de Delegado de Polícia (federal e estadual), continuaram apresentando projetos fantasiosos e de olho apenas em interesses escusos e nada republicanos, a exemplo da matéria.
Claro que o mote é o da crítica ao inquérito policial, mas o verdadeiro alvo é o cargo de Delegado de Polícia, não importando se isso só está piorando o grave problema de insegurança do Estado brasileiro.
Por outro lado, ninguém fala que as polícias militares dos estados da federação não estão cumprindo minimamente o dever de casa, que é de fazer o trabalho ostensivo/preventivo. Quando cobrados por essa omissão e desídia, os comandantes gerais se limitam a falar da falta de investimentos materiais e humanos. Será que de fato é só por isso?
Só iriamos saber se é verdade se se instaurasse uma CPI no Congresso Nacional para apurar as reais causas.
Em razão de meus trinta e um anos de atividade policial (militar e civil), tenho minhas dúvidas se realmente é por falta apenas de investimentos, levando em conta as ações de assaltantes de bancos que chegam nas cidades do Brasil afora, muitas destas capitais e cidades da região metropolitana, e ousadamente antes de iniciarem os arrombamentos das agências bancárias com explosivos, vão às unidades das polícias militar e civil, atiram nas viaturas e nos prédios, se dirigem as agências bancárias, subtraem o numerários e vão embora serenamente sem qualquer perseguição efetiva. E tudo fica como se apenas mais uma ação criminosa tivesse acontecido.
Isso é normal?

Perfeito.

Bellbird (Funcionário público)

Se acham os investigadores, mas na hora que não conseguem nada, culpa do inquérito.
É daquele pessoal que ao pegar a mulher com outro no sofá, vende o sofá.

Sem mais

Realista Professor (Professor Universitário - Criminal)

DPF Falcão matou a cobra e mostrou o pau.
Reduziu a pó o discurso infantil do sindicato da tiragem.
Gritaria não substitui estudo, o único meio de se tornar delegado (e juiz, promotor, defensor) é estudando e passando no concurso.

O concurso público é como a luz do sol

DPF Falcão - apos (Delegado de Polícia Federal)

Estão confundindo - ingênua ou maliciosamente - Autoridade Policial com a autoridade que tem todo o policial.
Se é para agilizar, deveriam propor também que outros órgãos/instituições pudessem oferecer denúncia e/ou julgar, bem como instituir a carreira única, com um só acesso inicial, para a Magistratura e o Ministério Público. O candidato faria concurso para auxiliar judiciário ou técnico processual, passaria a analista e, em razão da experiência adquirida, seria promovido a Juiz ou Promotor/Procurador.
Deve causar perplexidade ao cidadão o fato de juízes e promotores - novinhos - serem os responsáveis pelas decisões nos seus respectivos órgãos, e não o analista ou o auxiliar com mais de 20 anos de experiência.
Via de regra, quando do conhecimento de um fato, torna-se imprescindível proceder-se à respectiva análise jurídica, visando a identificar se há crime a apurar, sua tipificação legal, de quem seria atribuição/competência e demais circunstâncias, que tanto podem levar à decisão pela instauração de IPL, encaminhamento da ocorrência à Policia respectiva, expedição de OMP para uma investigação prévia, ou pelo arquivamento.
E quem faz essa análise jurídica, senão o Delegado de Polícia?
Como sabido, o bacharelado em direito é condição essencial para o exercício do cargo de Delegado de Polícia, que se capacita nas respectivas academias para o mister investigativo, por meio de cursos específicos.
Não se pode desconhecer, ainda, que quase todos os Delegados são oriundos das próprias Polícias, FFAA, PMs, PRF e outras.
Demais disso, se são os "verdadeiros policiais" que fazem todas as investigações (e não os Delegados, como dizem), não seriam eles os responsáveis pelo (pseudo) fracasso que tanto alardeiam?

O concurso público é como a luz do sol

DPF Falcão - apos (Delegado de Polícia Federal)

Estão confundindo - ingênua ou maliciosamente - Autoridade Policial com a autoridade que tem todo o policial.
Se é para agilizar, deveriam propor também que outros órgãos/instituições pudessem oferecer denúncia e/ou julgar, bem como instituir a carreira única, com um só acesso inicial, para a Magistratura e o Ministério Público. O candidato faria concurso para auxiliar judiciário ou técnico processual, passaria a analista e, em razão da experiência adquirida, seria promovido a Juiz ou Promotor/Procurador.
Deve causar perplexidade ao cidadão o fato de juízes e promotores - novinhos - serem os responsáveis pelas decisões nos seus respectivos órgãos, e não o analista ou o auxiliar com mais de 20 anos de experiência.
Via de regra, quando do conhecimento de um fato, torna-se imprescindível proceder-se à respectiva análise jurídica, visando a identificar se há crime a apurar, sua tipificação legal, de quem seria atribuição/competência e demais circunstâncias, que tanto podem levar à decisão pela instauração de IPL, encaminhamento da ocorrência à Policia respectiva, expedição de OMP para uma investigação prévia, ou pelo arquivamento.
E quem faz essa análise jurídica, senão o Delegado de Polícia?
Como sabido, o bacharelado em direito é condição essencial para o exercício do cargo de Delegado de Polícia, que se capacita nas respectivas academias para o mister investigativo, por meio de cursos específicos.
Não se pode desconhecer, ainda, que quase todos os Delegados são oriundos das próprias Polícias, FFAA, PMs, PRF e outras.
Demais disso, se são os "verdadeiros policiais" que fazem todas as investigações (e não os Delegados, como dizem), não seriam eles os responsáveis pelo (pseudo) fracasso que tanto alardeiam?

Pra que estudar?

Jurista Sincero (Advogado Autônomo - Criminal)

Essa bancada da PM acha que vai se transformar em delegado a forceps.
Só faltou combinar com a doutrina e o STF, bem como mudar todo o restante do arcabouço normativo...
É cada uma!

A polícia é da sociedade e não dos delegados

Analista de inteligência (Outros)

Em uma pesquisa nacional de vitimização, encomendada pela SENASP, identificou-se que quando se depende da investigação para identificar a autoria os índices são de 9,1% nos furtos de carro, 14,6% nos furtos de objetos, 15,4% nos roubos de objetos, 18,2% nos sequestros, 20% nas fraudes, 21,3% nos roubos de carros, 21,4% nos furtos de motos e 25,9% nos roubos de motos. Identificou-se também que: 16,6% dos entrevistados confiam muito na Polícia Civil, 62,5% confiam um pouco e 20,7% desconfiam. Observou-se também que só 38,2% aprovam a imagem e a forma como o serviço investigativo é realizado. Isso precisa mudar, chega desse modelo investigativo do Sec. XIX. Como órgãos da administração pública, as polícias precisam ser estruturadas de forma a satisfazer o princípio da eficiência na prestação de seus serviços. Chega de legalismo sem finalidade que coadune com o interesse público.

Comentar

Comentários encerrados em 19/08/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.