Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Possibilidade técnica

Justiça mantém ordem para Google restringir buscas sobre Cristiano Araújo

Por 

A Justiça estadual de Goiás manteve a decisão que impõe que o Google deixe de mostrar resultados para buscas de fotos e vídeos da necropsia do cantor Cristiano Araújo. Após perder em primeira instância, a empresa recorreu, alegando que não teria capacidade técnica para cumprir a ordem. Porém, o argumento não foi acolhido pela 1ª Turma Julgadora da 1ª Câmara Cível do Egrégio Tribunal de Justiça de Goiás.

A defesa da família do cantor Cristiano Araújo ressaltou que especificou quais links deveriam ser bloqueados. Divulgação 

O Google dizia que não poderia atender a decisão, pois os responsáveis pelo conteúdo são os próprios sites, sem que ele tenha alguma interferência sobre isso.

Porém, o juiz substituto Carlos Roberto Fávaro, relator da ação, ressaltou que a família do cantor informou quais eram os links e hashs (código que acompanha um vídeo) que deveriam ser tirados dos resultados das buscas.

“Assim, diante da irreparável fundamentação contida na decisão interlocutória atacada, que abordou com esmero e extrema técnica processual a situação de urgência apresentada, fazendo, inclusive uma acertada harmonização entre os princípios da liberdade de expressão e da dignidade da pessoa humana”, afirmou o juiz substituto na decisão.

Para Rafael Maciel, advogado da família do cantor, o tribunal reconheceu que há clara possibilidade técnica do cumprimento da medida, seja para remover os vídeos ou para bloquear os arquivos com a indicação de hash. “Em ambos os casos, tendo a localização inequívoca e não havendo a necessidade do serviço monitorar o conteúdo, há possibilidade técnica de cumprimento da medida conforme o Marco Civil da Internet."

Em 2015 o Google já havia sido condenado a pagar multa de R$ 50 mil por não cumprir ordem judicial para retirar resultados  relacionados a necropsia do cantor.

Clique aqui para ler o acórdão. 

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 11 de agosto de 2017, 10h31

Comentários de leitores

2 comentários

A culpa é do "Gúgu"?

O carinha que mora logo ali (Outros)

Não seria mais fácil ir direto contra os sites?

De boas intenções...

J.Henrique (Funcionário público)

Quando vão entender que o buscador do Google é isso: um buscador de sites EXISTENTES na internet! Querer que a ferramenta não ache um site é querer que a empresa 'advogue' contra si própria.
Por que não vão atrás do site que postou as fotos?

Ver todos comentáriosComentar