Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Além do salário

União terá que ressarcir empresa por cobrança sobre auxílios e outros benefícios

Férias e seu adicional de um terço, aviso prévio, os primeiros 15 dias do pagamento do auxílio doença e do auxílio acidente: nenhum desses pagamentos tem natureza salarial, sendo inexigível sua inclusão no cálculo da contribuição previdenciária

Com este entendimento, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, confirmou sentença que condenou a União a fazer a compensação de valores a uma empresa pelo recolhimento indevido de contribuição social previdenciária sobre os valores.

A ação foi ajuizada pela empresa em 2016, pedindo que não fosse reconhecida a obrigação de fazer o recolhimento desses valores. Alegando não existir relação jurídico-tributária no recebimento desses valores pela União, a empresa pediu, ainda, a compensação dos valores indevidamente recolhidos por esses títulos pelos últimos cinco anos.

A Justiça Federal de Curitiba considerou o pedido procedente, e a União apelou ao tribunal — que também não concordou com a União. O relator do caso, desembargador federal Amaury Chaves de Athayde, afirma que a legislação trabalhista, ao utilizar os termos salário e remuneração, diferencia as verbas pagas diretamente pelo empregador daquelas que não são desembolsadas por ele, embora sejam resultado do trabalho do empregado.

"Essa distinção tem o intuito de dar relevo ao caráter salarial das verbas remuneratórias, dessemelhando-as de outras figuras de natureza indenizatória, previdenciária ou tributária, ainda que nominadas como 'salário", afirma. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-4.

Processo 5028776-63.2016.4.04.7000/TRF

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2017, 8h21

Comentários de leitores

1 comentário

União federal

O IDEÓLOGO (Outros)

Em sua fúria destinada a arrecadar recursos econômicos, a União Federal não hesita em descumprir as próprias leis para assaltar os contribuintes. Depois, aqueles mais vigilantes do próprio patrimônio ingressam com ação judicial que percorrerá todas as instâncias, e o dinheiro é aplicado pela entidade pública no mercado financeiro, suficiente para pagar duas vezes o contribuinte.
Urge modificação das leis tributárias.

Comentários encerrados em 21/08/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.