Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cidadãos desconfiados

Em 2017, confiança da população na Justiça e no MP diminuiu, diz estudo da FGV

Por 

A operação “lava jato” pode ter levado o mundo do Judiciário para as manchetes como nunca antes uma investigação foi capaz. E o efeito da exposição foi uma queda na confiança da população no Judiciário e no Ministério Público, aponta a edição de 2017 do Índice de Confiança na Justiça, da Fundação Getulio Vargas. Isso além, é claro, da já esperada redução do número de pessoas que confiam no governo.

Em 2016, o MP havia sido citado como "confiável" por 44% da população. Neste ano, o número caiu para 28%. De acordo com a pesquisa, enquanto 30% dos entrevistados pela GV diziam confiar na Justiça em 2016, só 24% disseram o mesmo entre maio e junho deste ano, quando o levantamento foi feito.

Pelo que já foi divulgado, a imagem do governo federal foi a mais prejudicada com os acontecimentos dos últimos anos. Em 2017, só 6% dos entrevistados disseram confiar nos assuntos ligados ao Executivo Federal. Um ano antes, a cifra era de 11%, quase o dobro. Dois anos antes, 29% dos entrevistados diziam confiar no governo federal.

Havia a expectativa de que a popularidade do juiz federal Sergio Moro, que toca a “lava jato” em primeira instância, pudesse alavancar a confiança no Judiciário, mas ela não foi confirmada pelos dados. O que se viu, na verdade, foi o contrário.

“A conclusão a que chegamos foi que conhecer uma instituição é desconfiar dela”, disse nesta sexta-feira (25/8) a professora Luciana de Oliveira Ramos, responsável pela pesquisa. O levantamento ainda não foi divulgado, mas alguns dados preliminares foram apresentados pela professora durante o InnovationDay Tribunais, evento organizado pela Softplan, empresa de tecnologia que fornece software e soluções para o mundo jurídico.

A FGV considera que as pessoas levaram em conta não só os efeitos da “lava jato”, mas também o resultado do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff e a crise econômica por que passa o país. A pesquisa ouviu 1.650 pessoas em oito estados, que a fundação calcula representar 60% da população brasileira.

 é editor da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 25 de agosto de 2017, 13h11

Comentários de leitores

5 comentários

Conduta duvidosa

Alberto L. Silva (Outros)

O Gilmar mendes, em todos os processos, os quais atua, suas decisões são grosseiramente benéficas a políticos e empresários, criminosos, que foram processados com todas as provas do crime, desta forma, coloca toda a transparência do STF em dúvida e, assim, se enquadra como uma verdadeira laranja podre que envergonha o judiciário. A presidenta do STF deve, pela vontade da sociedade em ver a justiça pura e simplesmente, declarar a SUSPEIÇÃO do Gilmar mendes, nos termos da PGR, e afastá-lo da relatoria de processos complexos. A conduta do Gilmar mendes lembra muito aquela historia do interior, onde aquele moleque ruim de bola, se não jogasse, não tinha jogo, pois a bola era dele. Será que o GM pensa que as diretrizes da CF fazem parte do seu patrimônio pessoal ?

Acho pertinente

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

A parcela mais conectada da sociedade brasileira está começando a perquirir por que o judiciário e ministério público só agora com a operação Lava Jato passou a mostrar algum serviço efetivo contra a corrupção desde 1988, ou seja, depois de quase trinta anos. E também se perguntam, acredito, os motivos dessa negligência, omissão esses anos todos, justamente período no qual esses órgãos foram beneficiados com leis (obviamente aprovadas pelos políticos) que lhes concedeu tantos privilégios e regalias, como auxílios moradia, passagens aéreas em classe executiva, carro oficial, etc. Tudo isso sem um retorno efetivo de serviço de qualidade àqueles que custeiam toda essa mordomia - o contribuinte.

Não confio também.

Drake (Advogado Assalariado - Eleitoral)

Eu mesmo prefiro contratar um mercenário para resolver meus problemas pessoais do que recorrer ao Judiciário.
Agora, sugiro consultar a confiança perante a população da enfadonha OAB também...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.