Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falência institucional

"Mãos limpas" foi um evento político, diz historiador Giovanni Orsina

Reverenciada pelo juiz Sergio Moro, a operação mani pulite (mãos limpas), na Itália, foi um evento político que gerou uma crise política. A afirmação é de Giovanni Orsina, professor da universidade LUISS-Guido Carli, em Roma, um dos principais historiadores do fenômeno do berlusconismo.

"Juízes e promotores viraram atores políticos, mas é muito difícil apontar se eles faziam isso por alguma agenda", afirmou o professor, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. Ele é autor de obras como O Berlusconismo na história da Itália (2013), A República depois de Berlusconi (2011) e  Sem igreja nem classe (1998).

Orsina criticou aspectos "moralistas" de juízes da mãos limpas, que varreu os partidos tradicionais de 1992 a 1994 e viu seu magistrado-símbolo, Antonio di Pietro, virar político.

Segundo ele, em vez de a sociedade se responsabilizar também pela situação, os italianos resolveram colocar toda a culpa nos políticos. E, afirmou, a sociedade achou que se você se livrasse de bodes expiatórios, tudo ficaria bem. "Apoiaram a mãos limpas, só que nada foi plantado exceto a ideia de que a política é ruim, e que os magistrados eram mágicos".

Dentro dessa busca pela moralidade, Silvio Berlusconi foi eleito. "Ele não era um político, e para a sociedade os políticos não eram mais necessários", diz o professor, acrescentando que a sociedade acreditou que, por ser bilionário, Berlusconi não precisaria roubar.

A história, no entanto, não saiu como o esperado. Eleito, Berlusconi ajudou a desmontar a mãos limpas e acabou banido de cargos públicos, até 2019, por corrupção. Apesar disso, ele ainda pretende disputar as eleições em 2018 e lidera um dos maiores partidos da Itália.

"A Itália nunca se recuperou das mãos limpas. O sistema político ficou tão enfraquecido que mesmo um personagem como Berlusconi, acusado de tantas coisas, ainda é um grande ator", comentou Orsina.

Sem fazer comparações diretas com o Brasil, o professor afirmou que o indiciamento ético da classe política era moral, não judicial. Assim, caberia aos próprios políticos resolverem a questão. "A lição que ficou da crise na Itália é uma muito difícil de ser ouvida: a política é uma atividade necessária, tem suas próprias regras e seu próprio tempo", afirmou.

Revista Consultor Jurídico, 29 de agosto de 2017, 11h42

Comentários de leitores

2 comentários

Filhotes da java jato

José R (Advogado Autônomo)

Aqui se pode gerar um joão berlusconi dori, ops!, um joão berlusconi dorival qualquer...

Nação infantil

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Pelo texto, que apenas reproduz o que é corrente na Europa sobre o tema na época atual, é possível se perceber o atraso do cidadão comum brasileiro, e como os agentes estatais exploram com relativo sucesso a ignorância das massas. Conforme dito, a chamada "Operação Mãos Limpas" foi um dos maiores fracassos que se tem notícias, trazendo um prejuízo incalculável à Itália. No entanto, aqui se continua a repetir, reiteradamente, que a "Operação" em questão é um modelo a ser seguido, e que "estamos no caminho certo". Triste Nação brasileira, que ainda não aprendeu a dar os primeiros passos no rumo à maturidade.

Comentários encerrados em 06/09/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.