Consultor Jurídico

Mercado Jurídico

Por Sérgio Rodas

Blogs

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Experiência da magistratura

Ex-desembargadores do TJ-SP vão para a banca Hasson Sayeg e Novaes

Os desembargadores aposentados do Tribunal de Justiça de São Paulo Henrique Nelson Calandra e Ronaldo Alves de Andrade passaram a integrar a equipe do escritório Hasson Sayeg e Novaes Advogados. Lá, eles atuarão como pareceristas e advogados em processos nos tribunais superiores.

Nelson Calandra foi magistrado por 34 anos, e comandou entidades de classe

Segundo o sócio fundador da banca Ricardo Sayeg, eles não terão dificuldades nessa nova fase de suas carreiras. “Antes de ingressarem na magistratura, os dois desembargadores atuaram na advocacia, o que torna a adaptação para a nova carreira mais fácil”.

Nelson Calandra aposentou-se em 2015 do TJ-SP depois de 34 anos de serviços prestados ao Judiciário. Iniciou sua carreira como juiz substituto em 1980, e atuou nas comarcas de Osasco, Buritama, Jales, Suzano e São Paulo. Calandra foi juiz do extinto Tribunal de Alçada Criminal e foi promovido a desembargador em 2005. Além disso, presidiu duas entidades da magistratura: a Associação Paulista dos Magistrados (Apamagis) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

Já Ronaldo Andrade desligou-se do Judiciário paulista em 2016, onde ingressou em 1989 como juiz substituto da 19ª Circunscrição Judiciária de Sorocaba. Ele trabalhou nas comarcas de Quatá, Aparecida, Santos, São Paulo e Osasco, sendo promovido a desembargador do TJ-SP em 2011. Paralelamente à magistratura, trabalhou como professor universitário.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 3 de fevereiro de 2017, 11h39

Comentários de leitores

2 comentários

Retorno à advocacia

Célio Parisi (Advogado Assalariado - Criminal)

Célio Parisi.
Embora não haja uma perfeita aceitação pelos seus ex-colegas de magistratura: muitos me contestam mas é minha opinião e o que vejo no cotidiano forense, para a advocacia é bom porque contará em seus quadros com profissionais que têm vivência "do outro lado do balcão", como se tem dito alhures !
Vejam que o contrário também é verdadeiro, porque quando um advogado experiente ingressa na magistratura, esta ganha muito em termos de boa prestação jurisdicional. Neste último caso, o que está "matando" é o ingresso na magistratura (como também no MP) de concursados inexperientes, por ser exigido pouco tempo de advocacia e mal comprovado.

Doutor calandra

O IDEÓLOGO (Outros)

Eminente e culto Desembargador. Excelente aquisição pelo escritório.

Comentários encerrados em 11/02/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.