Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Suposto rombo

Segundo ação, governo propôs PEC sem demonstrar déficit da Previdência

Por 

Um grupo de 28 deputados federais de oposição ingressou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal contra a reforma da previdência proposta pelo governo. De acordo com a ação, o Planalto não demonstrou o déficit do sistema. 

Eles pedem a anulação de todos os atos legislativos sobre a PEC 287/2016 Segundo a inicial, a proposta, de autoria do Executivo e apresentada em dezembro de 2016, foi enviada ao Congresso sem prévio estudo atuarial que confirme a real necessidade de mudar a Constituição para manter o equilíbrio das contas previdenciárias.

O saldo negativo da previdência é o principal argumento utilizado pelo governo para defender a aprovação da proposta. Para os parlamentares, o ato ofendeu a Constituição nos artigos que trata sobre o regime previdenciário.

Os artigos 40 e 201 da Constituição exigem que os dois regimes, tanto o próprio quanto o geral,  observem critérios que preservem seu equilíbrio financeiro e atuarial. Por causa disso, argumentam os deputados, qualquer mudança na definição de requisitos como idade mínima, tempo de contribuição e carências, assim como critérios de cálculo e reajuste de benefícios devem passar por prévio estudo que respeite as equações típicas do cálculo atuarial.

“Não se trata de mera orientação para a gestão administrativa. O estudo atuarial é requisito formal para a regularidade material das condições previdenciárias em qualquer regime, em especial quando objeto de alteração constitucional”, diz a inicial.

Eles alegam também que Temer não ouviu o Conselho Nacional de Previdência Social, exigência prevista no artigo 10 da Constituição e nos artigos 3º, 4º e 5º da Lei 8.213/1991, que dispõe sobre os planos de benefícios da previdência social.

A PEC fixa uma idade mínima de 65 anos para a aposentadoria de homens e mulheres. As novas regras, se aprovadas, valerão para trabalhadores dos setores público e privado. O trabalhador que desejar se aposentar recebendo a aposentadoria integral deverá contribuir por 49 anos.

Atualmente, a proposta está sendo analisada por uma comissão especial, que será encarregada de emitir parecer sobre as mudanças. Mas antes passou pela Câmara e a Comissão de Constituição da casa. O MS alega que todos esses atos não valem por vício no processo legislativo.

A equipe responsável pela elaboração do MS é composta pelos advogados Rudi Meira Cassel, Roberto de Carvalho Santos, Daniel Felipe de Oliveira Hilario, Fernando Ferreira Calazans, Jean Paulo Ruzzarim e Juliana Benício Xavier.  

Clique aqui para ler a inicial.
MS 34.635

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 15 de fevereiro de 2017, 10h24

Comentários de leitores

4 comentários

Tá tudo combinado

Euclides de Oliveira Pinto Neto (Outros - Tributária)

Os autores da ação sabem que, no Congresso, a proposta será aprovada... afinal, o ano de 2018 é um ano eleitoral, e os nossos ilustres parlamentares vão precisar de recursos para promoverem suas candidaturas... Assim, buscam o amparo judicial para impedir a aprovação dessa violência contra a classe mais carente da população. Ainda têm esperanças que o Judiciário impeça a continuação dessa ignomínia... Todos sabem que a Previdência é altamente superavitária... mas nossos "governantes" mostram os deficits através de contas mentirosas, manipulando as rubricas de receitas, a fim de empreender essa grande sacanagem ... vamos aguardar a decisão do Judiciário e prestar atenção naqueles parlamentares que estão se posicionando a favor da bandalheira...

Repensando a separação de poderes

Hans Zimmer (Assessor Técnico)

Em vez de debaterem o projeto no Congresso e apontar as supostas inconstitucionalidades na comissão pertinente, preferem levar a questão ao Judiciário, que lamentavelmente vai se tornando um macropoder que escolhe que temas votar e como votá-los. O Legislativo reclama da subtração de seu poder, mas é dela cúmplice.

reforma da previdência

Daniel (Outros)

reclamam do judiciário, mas em tudo judicializam. Claro, quando a eles interessam.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/02/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.