Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Aposentadoria eletrônica

Turma Nacional dos juizados especiais federais troca PJe pelo eproc

Por 

Uma série de falhas e problemas no Processo Judicial Eletrônico (PJe) fez a Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais decidir “aposentar” o uso do sistema. A partir de 17 de julho, começa a entrar no lugar o eproc, desenvolvido desde 2003 na Justiça Federal da 4ª Região (RS, SC e PR).

A mudança foi regulamentada em norma publicada na sexta-feira (30/6) no Diário da Justiça Eletrônico, assinada pelo ministro Mauro Campbell Marques, corregedor-geral da Justiça Federal. Ele lista 15 problemas do PJe: instabilidade recorrente; demora na resolução de problemas técnicos; dificuldade de tramitação dos processos em lotes; deficiência na produção de estatística; pesquisa processual deficitária e falta de banco de dados de jurisprudência, por exemplo.

Ainda segundo o ministro, a remessa de processos para o juízo de origem precisa ser feita de forma individual, uma de cada vez, e usuários não conseguem acessar processos por celular. Já o eproc tem pelo menos sete vantagens, afirma, como acesso por aplicativos móveis, funcionalidade simples e ferramentas para separar, publicar e enviar processos em lote.

Corregedor Mauro Campbell afirma que intervenção é "cirúrgica".
STJ

Segundo Campbell, a troca é “cirúrgica”: arrumar o PJe exigiria gastos e muito tempo, enquanto o eproc terá custos “irrisórios”, pois o Tribunal Regional Federal da 4ª Região cedeu o direito de uso do sistema. Processos que já tramitam de forma eletrônica serão migrados em até 60 dias.

Outra norma da Corregedoria exige o eproc nas turmas vinculadas ao TRF-4 a partir de 17 de julho, para envio de pedidos de uniformização de interpretação de lei federal. Nas turmas vinculadas aos tribunais federais da 1ª, 2ª, 3ª e 5ª regiões, o prazo é 1º de agosto.

Escanteio
O Processo Judicial Eletrônico é o sistema oficial do Conselho Nacional de Justiça, mas tem sido deixado de lado pela própria presidente do órgão, ministra Cármen Lúcia. Em maio, ela anunciou no Plenário do CNJ que tribunais do país podem flexibilizar o uso da plataforma. No ano passado, a ministra interrompeu a implantação do PJe no Supremo Tribunal Federal.

O processo eletrônico do CNJ foi desenvolvido em 2009. Quatro anos depois, quando o conselho era comandado por Joaquim Barbosa, uma resolução obrigou que o sistema fosse adotado em todo o país. Nos últimos anos, no entanto, tribunais passaram a ter liberdade de continuar com ferramentas próprias se conseguissem integrá-las com o sistema padrão, com o chamado Modelo Nacional de Interoperabilidade (MNI).

A Turma Nacional julga incidente de uniformização de interpretação de lei federal quando há divergência entre turmas recursais de diferentes regiões ou eventual contrariedade à jurisprudência dominante do STJ. Também na sexta-feira (30/6), a TNU regulamentou a criação de seu próprio Diário de Justiça Eletrônico.

Clique aqui para ler provimento sobre a mudança.

* Texto atualizado às 11h35 do dia 4/7/2017 para correção.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 4 de julho de 2017, 10h08

Comentários de leitores

16 comentários

e o advogado?

Brunowjr (Advogado Autônomo - Civil)

Mais uma vez fica patente a preocupação do judiciário com o advogado... Estava contando hoje, lido atualmente com 8 sistemas diferentes!

Rogério Brodbeck (Advogado Autônomo - Civil)

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

Rogério Brodbeck (Advogado Autônomo - Civil)
.
Sabe porque o sistema de peticionamento eletrônico do TJRJ, que é um monstrengo inoperante, está em uso? Pois alguém deve estar levando $$$$$$ para manter ativo aquele absurdo.
.
Aliás, o que neste país, ligado ao setor público (ainda mais envolvendo valores elevados de implementação do PJ-e no TJRJ), não anda ás margens da lei?
.
No caso do TJRJ, deveria o CNJ intervir e suspender quem autorizou o uso daquele treco chamado PJ-e.

E proc é o melhor

Rogério Brodbeck (Advogado Autônomo - Civil)

O e-proc é omelhor sistema do país a julgar pelos comentários feitos por colegas que usam outros de outras Justiças país afora. E o TRF4 ofereceu o produto de graça ao CNJ para implantá-lo em todas as Justiças e instâncias nacionais. E o Conselho recusou... não pode dar certo mesmo, eita paisinho ruim esse...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/07/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.