Consultor Jurídico

Entrevistas

Presunção de importância

"Críticas a delações premiadas são garantismo de ocasião"

Comentários de leitores

7 comentários

Parabéns ao conjur pela oportuna entrevista.

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Já era tempo de ouvirmos um dos líderes do sistema de COLABORAÇÃO PREMIADA. E aos que NÃO CONSEGUEM entender que DEMOCRACIA não é um SISTEMA que ABRIGA os que JÁ a USARAM para FERI-LA, para INFRINGI-LA, é bom que voltem aos bancos universitários, para relerem a doutrina, refletirem sobre os institutos e ENTENDEREM que a DEMOCRACIA abriga a TODOS aqueles que NÃO SE APROVEITAREM DELA, para MATÁ-LA ou INFRINGI-LA. Aqueles que assim se portarem, TERÃO DA DEMOCRACIA apenas a PROTEÇÃO para o EXERCÍCIO do DIREITO de DEFESA e o DEVIDO PROCESSO LEGAL. Assim como, tenho FÉ, o JUDICIÁRIO BRASILEIRO entenderá que o POLÍTICO que GANHAR ELEIÇÃO FRAUDANDO O SISTEMA, CONSPURCANDO o SISTEMA, MACULANDO o SISTEMA, NÃO PODERÁ USAR a PURESA do SISTEMA para SE MANTER ELEITO. É que a IDEIA de que O VOTO EXPRESSA UMA REPRESENTAÇÃO SÓ É LEGÍTIMA E SÓ LEGITIMA o ELEITO na medida em que o ELEITO NÃO FERIU A CONSTITUIÇÃO , AS LEIS e o SISTEMA DEMOCRÁTICO. Se o ELEITO FRAUDOU sua ELEIÇÃO, iludindo o SEU ELEITOR, LUDIBRIANDO o SEU ELEITOR, o VOTO que o ELEITOR lhe DEU NÃO SE PODE DIZER LEGITIMADOR do MANDATO, porque ELE DISTORCEU o NÚCLEO BÁSICO da EXPRESSÃO do ELEITOR, que foi a INTENÇÃO do ELEITOR. O ELEITOR TERÁ VOTADO EM X, PENSANDO UMA COISA de X, MAS o QUE PENSOU NÃO ERA REALIDADE, PORQUE foi DISTORCIDO o RACIOCÍNIO QUE CONSTRUIU O SEU VOTO, como EXPRESSÃO de VONTADE. __ Parabéns, portanto, ao ENTREVISTADO, mas temos que nos lembrar que matreiramente CANOTILHO restringiu seu parecer à VALIDADE das DELAÇÕES em vista do DIREITO PORTUGUÊS. E acho que o Prof. Canotilho SABE QUE SEU PARECER SERIA NADA, NO BRASIL!

Há ainda esperança nos quadros da OAB.

Drake (Advogado Assalariado - Eleitoral)

Há ainda resquícios morais nos quadros da OAB, felizmente. Parabéns, Dr. Antonio Figueiredo Basto, por saber que advogar não significa ser cúmplice do crime.

Lapsus digitationus

José R (Advogado Autônomo)

leia-se "engolfam" onde s vê "engolfa".
E é só.

Univitelinos?

José R (Advogado Autônomo)

O ideário posto a nu na matéria, surgido não se sabe de onde (que Faculdade de Direito o teria parido?), retrata o exemplo perfeito e acabado da indigência e da miséria de ideais libertários que sempre foram o apanágio dos antigos e heróicos Advogados brasileiros e que agora engolfa (elas, miséria e indigência) a advocacia nacional.
Sua retórica mercenária e amoral está repleta dos argumentos tendenciosos e autoritários que sempre foram usados pelos que só se importam com "ouro, notoriedade ou mando".
De outro lado, no que toca ao autoritarismo que impregna suas respostas, os argumentos parecem ser tomados de empréstimo de excertos de decisões proferidas pelo provincial Savonarola de Curitiba.
Inspiração ou coadjuvância?
De qualquer modo, Basta de leiteeeee quenteeee e de "piá" reacionário, mas periculoso, porque esfaqueia as irrenunciáveis liberdades pessoais e o direito de defesa!

Quem esse advogado tá defendendo?

teteuCampos (Outros)

Depende é muito de que está Delatando e de quem está sendo acusado... se um Zé minguem ora bolas caçarolas...

Quanto mais fala, mais confirma a coação

Rejane Guimarães Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Congratulações ao Dr. Antônio Figueiredo Basto e a Sérgio Rodas pela excelente entrevista. Manifesto meu profundo respeito ao nobre colega por exercer a defesa de seus clientes com tanta dedicação e fidelidade. Por essa razão, abstenho-me de criticar alguns tópicos da entrevista e também porque, dentro do possível sem prejudicar a defesa, o nobre Advogado criticou algumas falhas de delações efetuadas e outros atos processuais da Lava Jato. Não se pode esperar imparcialidade de um causídico que, além de representar a parte, como trapezista, consegue cruzar a corda bamba e conceder entrevista consistente sobre assunto tão importante. Mais uma vez, congratulações ! Só faço duas observações. A primeira diz respeito à crítica de que ninguém clamava contra a presunção de inocência e preventivas com tanto vigor antes porque os réus eram pobres. Não é bem assim, pois a delação mostrou uma faceta ainda mais sórdida daqueles réus que têm informações de interesse do MP e fazem acordos vantajosos. Os pobres continuam "mofando" na cadeia porque não têm informação para negociar. A segunda observação diz respeito ao que enxerguei não como uma pérola, mas um diamante do nobre causídico. A sua afirmação de que "não há uma correlação lógica de que a prisão promova uma alteração psíquica das pessoas ". Realmente, não há uma correlação lógica, é um fato que afeta. A razão deve prevalecer sobre as emoções ? Dr. Antônio Figueiredo Basto, aplausos !!!

Somos iguais, então somos livres para falar qualquer coisa

Marcelo-ADV (Outros)

Citação: “Evidentemente que há um livre convencimento do magistrado que não pode ser retirado”.

Como todos nós somos iguais perante a Lei, então bastaria ao réu alegar que não violou Lei nenhuma, não é? Que estava apenas a interpretando de uma forma diferente, porque ele é livre para interpretá-la?

Sistema funcionando. Funcional para quem?

Comentar

Comentários encerrados em 24/07/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.