Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Criptografia antigrampo

Gaeco diz que aplicativos de conversa são barreira para investigações

Umas das maiores dificuldades encontradas em investigações é o monitoramento de conversas de suspeitos feitas por aplicativos de celular como WhatsApp e Telegram. Quem conta o membro do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Presidente Prudente (SP) Lincoln Gakiya, que falou na última semana no Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), em Brasília.

“Não temos hoje um sistema que intercepte essas mensagens. Uma solução que eu enxergo seria a introdução nos celulares de integrantes das facções, obviamente com autorização judicial, de um vírus que permitisse nosso acesso às informações trocadas entre eles”, falou o membro do Gaeco.

Quando falou sobre sugestões de combate ao PCC, Gakiya definiu o que entende ser a atividade de inteligência criminal: obtenção de conhecimento na área de Segurança Pública que possibilite a tomada de decisões quanto à prevenção ou repressão criminal. Para ele, esta atividade envolve prever tendências (identificar os próximos desdobramentos do crime), reconhecer as lideranças e os seus elementos-chave, monitorar a movimentação cotidiana da organização criminosa para entender sua rotina, e identificar os pontos fracos e informantes em potencial.

O membro do Gaeco fez ainda uma lista das principais dificuldades  encontradas nas investigações.

Veja quais são:

  • Número elevado de investigados e sensibilidade dos alvos
  • Compartimento de funções e troca diária de telefones celulares pelos alvos, gerando grande número de interceptações
  • Investigação de longo prazo, indispensável para o conhecimento de todos os setores da organização, com especificação de cada função e logística empregada na empresa criminosa
  • Incompreensão do tema pelo Poder Judiciário
  • Dificuldades em cortar o fluxo financeiro da organização, haja vista que os recursos arrecadados não circulam em contas bancárias e sim em espécie, guardados em cofres de difícil localização

Revista Consultor Jurídico, 2 de maio de 2017, 8h48

Comentários de leitores

5 comentários

Caro Daniel

Ribas do Rio Pardo (Delegado de Polícia Estadual)

Em qual país do mundo temos um MP hiper poderoso? Salvo aqueles em a carreira é unica com a magistratura e, ainda assim, não são autônomos e independentes, nos ditos países civilizados são elegíveis, não tem competência para propositura de ações civis se limitando à ação penal. Mais a mais, no Brasil se exige analise da conduta, o que demanda conhecimento jurídico. O MP faz o papel da polícia também sem conhecimento técnico para tanto, talvez, por isso, pessoas fujam dele de cuecas pelos fundos da casa. Na verdade o MP nem existiria em termos de investigação se não fosse pela PM, a PM faz o trabalho "de investigação", leia-se Castelinho em São Paulo, entre tantas outras que o sigilo absoluto em torno das ações do MP não fazem chegar à sociedade em geral.

em qual país do mundo polícia tem monopólio de investigação?

daniel (Outros - Administrativa)

em qual país do mundo polícia tem monopólio de investigação?
Em qual país do mundo o MP não pode investigar ?
Em qual país do mundo cargo de Delegado de Polícia é privativo de bacharel em Direito ?

Rivadavia Rosa (Advogado Autonomo)

Pedro MPE (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

O papel aceita tudo, mas a quantidade de asneiras sem qualquer concatenação lógica do seu texto é preocupante. Procure uma ajuda especializada!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/05/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.