Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Girl power

Caarj lança movimento para combater machismo na advocacia

Por 

Com o objetivo de acabar com a desigualdade salarial e com o machismo na profissão, a Caixa de Assistência de Advogados do Rio de Janeiro (Caarj) lançou nesta quarta-feira (17/3) o Movimento da Mulher Advogada.

Marcello Oliveira e Naide Marinho (ao lado dele) esperam que o movimento diminua o machismo nos escritórios de advogados
Flavia Freitas

Em evento na sede da entidade, no Centro do Rio, Naide Marinho, secretária-geral da Caarj, apresentou os dados da pesquisa Advocacia: profissão de mulher. O levantamento aponta que as advogadas do estado recebem, em média, 25% menos que os homens, levam mais tempo para subir na carreira e são minoria entre advogados que empregam outros colegas.

Além disso, Naide destacou como o machismo se manifesta na profissão. Segundo ela, é comum que mulheres sejam medidas por sua beleza, não por sua competência. Para alertar sobre esse cenário, a Caarj colocou há pouco banners no Centro do Rio com frases discriminatórias ditas por advogados homens. Entre elas, “Não contrato advogada mulher porque elas engravidam” e “Vai despachar com o juiz? Capricha no decote”.

“Muitas mulheres não enxergam essa realidade. Elas pensam que violência de gênero só ocorre por meio de socos, chutes. Mas a violência vai muito além disso. E quando dizemos isso a essas advogadas, elas começam a ter consciência de como o machismo é naturalizado na profissão”, disse Naide à ConJur.

Esse preconceito diminui a capacidade profissional nos olhos dos homens, ressaltou a criminalista Maíra Fernandes, integrante do Comitê Latino-americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher. E isso, de acordo com ela, faz com que muitas mulheres desistam da advocacia e optem por carreiras públicas, nos quais não dependerão de avaliações altamente subjetivas para progredirem.

Porém, a desigualdade de gênero na advocacia só acabará quando os homens mudarem suas atitudes com relação às mulheres, declarou à ConJur Marcello Oliveira, presidente da Caarj. “É preciso conscientizar os homens. Muitos não têm consciência de seus atos. Às vezes, eles acham que estão fazendo uma gentileza, um elogio à mulher, mas, no fundo, estão diminuindo-a, diminuindo a capacidade profissional dela”.

Na visão de Naide Marinho, Maíra Fernandes e Marcello Oliveira, o Movimento da Mulher Advogada irá ganhar vida própria daqui para frente. O objetivo é aprofundar o debate sobre machismo na profissão, seja nas subseções da Ordem dos Advogados do Brasil, seja nos escritórios. A equipe da Caarj também irá ajudar as mulheres que denunciarem tratamento desigual no trabalho. Se a ação for eficaz, pode ser que “muito em breve, não precisemos mais de um movimento desses”, afirmou Maíra.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de março de 2017, 17h47

Comentários de leitores

4 comentários

Iludido - Advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Como entendo que não vim ao mundo para agradar ninguém, mas a todos. Interessante é que conheço advogadOs que estão aposentados com um salái mim no seu brasil. Amigos, não vamos perder tempo com bobagem. Deus não autorizou ninguém a consertar a terra. Este, é mais um segredo que faz parte do seu plano nunca repassado. Quantos repórteres de TV perderam seus empregos para mulheres e hoje estão desempregados mesmos. O que v. acha que eles agora pensam! A mulher por ganhar menos leva a vantagem de manter a mesa da casa e o emprego.

Iludido - Advogado autônomo

Iludido (Advogado Autônomo - Civil)

Como entendo que não vim ao mundo para agradar ninguém, mas a todos. Interessante é que conheço advogadOs que estão aposentados com um salái mim no seu brasil. Amigos, não vamos perder tempo com bobagem. Deus não autorizou ninguém a consertar a terra. Este, é mais um que faz parte do seu plano nunca repassado. Quantos reporteres q

Mais um blá blá blá esquerdalha!

O Trovador (Funcionário público)

Elogiar a beleza da mulher, no caso, das advogadas, é diminuí-las como profissionais do direito? Pontes que partiu, só não mando esse Caarj tomar caju para o meu comentário não ser censurado!
É vitimismo que não acaba mais, meu irmão! Até onde esses lerdos vão parar de tecer esses discursos esquerdalhas, discursos que tiram a meritocracia da mulher como profissional e atribuem todos os males que ela sofre às ações do sexo oposto?
Por sinal, uma das advogadas mais requisitadas na região em que moro é uma mistura de Regina Casé e Inês Brasil nos seus piores dias, ou seja, um "dragonzaço"! Mas pense numa mulher competente no que faz!
Enfim, é racismo, é homofobia, é machismo, é misogenia, é opressão, é preconceito, é discriminação...basta! Cansei disso!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/03/2017.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.