Consultor Jurídico

Crise no setor

Justiça do Rio aceita pedido de recuperação judicial da Usina Canabrava

O juiz Leonardo Cajueiro D'Azevedo, da 3ª Vara Cível de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, deferiu o pedido de recuperação judicial do Grupo Nova Canabrava, do qual faz parte a usina de etanol Canabrava.

Grupo argumentou que setor
sucroalcooeiro enfrenta uma grave crise
Reprodução

O julgador determinou que fossem suspensas todas as ações e execuções contra as empresas Portopar Bioenergia, Álcool Química Canabrava, Canabrava Agrícola e Canabrava Energética, que compõem o grupo.  

Além disso, o magistrado nomeou um administrador judicial para o caso e determinou que as requerentes passem a usar em seus documentos a expressão "em recuperação judicial". As companhias também deverão apresentar contas demonstrativas mensais enquanto durar a recuperação judicial, sob pena de destituição de seus administradores.  

O grupo alega que gera empregos, qualifica mão de obra e fomenta pequenos e médios produtores, mas que o setor sucroalcooeiro enfrenta uma grave crise.

Segundo as empresas, um conjunto de fatores, como o aumento dos custos de produção devido à mecanização da colheita e a seca de 2014, levou à queda de receita e ao aumento dos custos de produção. Com informações da assessoria de imprensa do TJ-RJ.

0011041-48.2022.8.19.0014 




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 5 de agosto de 2022, 7h51

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 13/08/2022.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.