Consultor Jurídico

Opinião

A Convenção de Montreal e o limite de indenização no transporte aéreo de carga

Por 

Em recente decisão proferida no EREsp nº 1.289.629/SP, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) pacificou a questão da necessária aplicação da Convenção de Montreal aos casos de transporte aéreo internacional e, mais especificamente, sobre a limitação da responsabilidade do transportador nos termos da alínea 3 do artigo 22 da referida norma.

Inicialmente, considerando a resistência de alguns julgadores em aplicar o quanto estabelecido na Convenção de Montreal, restou muito bem esclarecido pelo ministro Luis Felipe Salomão a inequívoca e indispensável acolhimento do artigo 178 da Constituição Federal [1], ao determinar que serão aplicáveis no Brasil os acordos firmados pela União: "revela-se inequívoco que a controvérsia atinente à responsabilidade civil decorrente de extravio de mercadoria importada objeto de contrato de transporte celebrado entre a importadora e a companhia aérea (hipótese dos autos) também se encontra disciplinada pela Convenção de Montreal, por força da regra de sobredireito inserta no artigo 178 da Constituição, que, como dito alhures, determina a prevalência dos acordos internacionais subscritos pelo Brasil sobre transporte internacional".

Ou seja, a legislação brasileira reconhece que os tratados e acordos internacionais, uma vez subscritos pelo Brasil, possuem força de lei e como tal devem ser aplicados, reforçando inclusive o quanto disposto no artigo 732 do Código Civil [2], de que os tratados internacionais e a Lei Especial devem ser fielmente observados nas hipóteses de contrato de transporte.

Temos, portanto, que tanto o artigo 178 da Constituição quanto o artigo 732 do Código Civil determinam a observância dos tratados internacionais assinados e ratificados pela União Federal no que tange à ordenação do transporte internacional, sendo que em casos de transporte de cargas, a norma aplicável é à Convenção de Montreal.

Vale destacar, inclusive, que tal entendimento já havia sido explicitado pelo Supremo Tribunal Federal [3] ao determinar a aplicação das limitações de indenizações impostas nas Convenções de Varsóvia e Montreal nos moldes da tese fixada no Tema 210.

Feitas essas considerações, convém destacar a irretocável conclusão do ministro Luis Felipe Salomão ao entender pela aplicação da limitação da responsabilidade do transportador, prevista no artigo 22, alínea 3 da Convenção de Montreal, em casos de danos à carga durante a realização do transporte:

"(..) o artigo 22, alínea 3, do tratado estabelece que, no transporte de carga, a responsabilidade do transportador — em caso de destruição, perda, avaria ou atraso — limita-se a uma quantia de 17 Direitos Especiais de Saque por quilograma, a menos que o expedidor haja feito ao transportador, ao entregar-lhe o volume, uma declaração especial de valor de sua entrega no lugar de destino e tenha pago uma quantia suplementar, se for cabível. Nesse último caso, o transportador estará obrigado a pagar uma quantia que não excederá o valor declarado, salvo se provar que este valor é superior ao valor real da entrega no lugar de destino".

Ou seja, nos termos do artigo 22, alínea 3 da Convenção de Montreal [4] a responsabilidade civil da transportadora limita-se a 17 direitos especiais de saque 5 por quilograma, salvo se o expedidor realizar, ao entregar o volume para transporte, uma declaração especial de valor de sua entrega no lugar de destino e tenha pago uma quantia suplementar.

Ora, é claro que a Convenção de Montreal afasta a responsabilidade ilimitada do transportador, quando não for feita (pelo contratante do transporte) a declaração especial de valor da carga, documento que implica no pagamento de taxa suplementar para transporte. Assim, restando provada a ocorrência de extravio ou avaria da carga, o transportador aéreo responderá objetivamente pelos danos, restando apenas se averiguar se o contratante cumpriu com a incumbência que lhe competia (entrega de declaração especial de valor da carga com pagamento de taxa suplementar) para o recebimento de indenização integral reclamada ou não.

Trata-se de verdadeira obrigação sinalagmática, de modo que caso queira o contratante ser indenizado integralmente por eventuais avarias ou extravio da carga transportada, deverá proceder com a declaração especial, pagando a taxa suplementar, nascendo aí o seu direito de reclamar a indenização integral. A disposição é evidentemente clara no mundo negocial em que os transportes de cargas se operam, pois sendo declarada carga de alto valor, o risco da companhia aérea também é maior, sendo plenamente necessário que esta cobre mais por um serviço de maior risco.

O que não se permite, até mesmo por atentar quanto à boa fé que se espera dos contratantes, é a omissão do valor da carga transportada para que seja feito um transporte mais barato e, em caso de dano, se alegue que o valor da referida carga era muito superior ao presumido.

Vemos, portanto, que a decisão prolatada no EREsp nº 1289629/SP traz a segurança jurídica que se espera do Poder Judiciário e põe fim a duas discussões até então existentes: aplicabilidade ou não da Convenção de Montreal e, em caso de aplicabilidade, a necessária observância à limitação indenizatória prevista no artigo 22, alínea 3.

_____________________

[1] Artigo 178. Constituição. A lei disporá sobre a ordenação dos transportes aéreo, aquático e terrestre, devendo, quanto à ordenação do transporte internacional, observar os acordos firmados pela União, atendido o princípio da reciprocidade.

[2] Artigo 732. Código Civil. Aos contratos de transporte, em geral, são aplicáveis, quando couber, desde que não contrariem as disposições deste Código, os preceitos constantes da legislação especial e de tratados e convenções internacionais.

[3] RE 1.228.425 AgR-segundo, relatora ministra Roberto Barroso, Primeira Turma, DJe 30.3.2020.

[4] Artigo 22. 3. No transporte de carga, a responsabilidade do transportador em caso de destruição, perda, avaria ou atraso se limita a uma quantia de 17 Direitos Especiais de Saque por quilograma, a menos que o expedidor haja feito ao transportador, ao entregar-lhe o volume, uma declaração especial de valor de sua entrega no lugar de destino, e tenha pago uma quantia suplementar, se for cabível. Neste caso, o transportador estará obrigado a pagar uma quantia que não excederá o valor declarado, a menos que prove que este valor é superior ao valor real da entrega no lugar de destino.

[5] Artigo 23 do Decreto nº 5.910/2006: As quantias indicadas em Direitos Especiais de Saque mencionadas na presente Convenção consideram-se referentes ao Direito Especial de Saque definido pelo Fundo Monetário Internacional. A conversão das somas nas moedas nacionais, no caso de ações judiciais, se fará conforme o valor de tais moedas em Direitos Especiais de Saque, na data da sentença. O valor em Direitos Especiais de Saque da moeda nacional de um Estado Parte, que seja membro do Fundo Monetário Internacional, será calculado de acordo com o método de avaliação adotado pelo Fundo Monetário Internacional para suas operações e transações, vigente na data da sentença. O valor em Direitos Especiais de Saque da moeda nacional de um Estado Parte que não seja membro do Fundo Monetário Internacional será calculado na forma estabelecida por esse Estado.




Topo da página

 é mestre em Direito Político e Econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e advogada da banca Lee, Brock e Camargo Advogados (LBCA).

Revista Consultor Jurídico, 5 de agosto de 2022, 11h05

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 13/08/2022.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.