Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

Legal Design não é sobre desenhar

Mauro Roberto Martins Junior (Advogado Associado a Escritório - Internet e Tecnologia)

Acabei de voltar da Universidade de Stanford, onde tive o prazer de conhecer a criadora do Legal Design, Margaret Hagan. Estudo o assunto desde 2018 e não há qualquer relação com desenho. O uso de recursos visuais é apenas uma das dezenas de ferramentas utilizadas para melhorar a eficiência dos serviços jurídicos. Explico isso em detalhes no meu site: https://www.thelegaldesigner.com.br/

Agradecimento

Clarissa Amaral Silva Freitas Brandão (Advogado Assalariado - Civil)

Olá Dra. Rejane, somos gratas por sua leitura atenta e por seu comentário. Também concordamos que o aperfeiçoamento da linguagem escrita leva à uma melhora na comunicação. O que buscamos trazer, para além desse ponto, são evidências de que representações pictóricas auxiliam no processamento de informações, tornando-as mais eficazes. Dessa forma, os “Contratos Visuais”, que combinam desenhos a uma escrita clara e concisa, se apresentam como uma alternativa promissora aos contratos apenas escritos.

Feliz com a boa vontade das autoras

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Doutoras, se eu questionasse que essa incipiente prática de desenhar para explicar cláusulas contratuais deve aperfeiçoar-se ou adaptar-se no decorrer de seu uso, as autoras certamente responderiam "com certeza". Pois bem, o ponto inicial refere-se à comunicação intersubjetiva. Nem todo mundo, aliás poucas são as pessoas, têm dom para desenhar. Sei disso porque não nasci com esse dom e, desde criança, fiz curso para aprender a desenhar e sei como é difícil para quem não tem o dom conseguir desenhar qualquer imagem que possa ser vista por outros como a representação de uma ideia. Com isso pretendo salientar que quem desenha comunica uma ideia e quem a vê, muitas vezes, não tem condições de desenhar uma resposta. A questão da inclusão/exclusão fica sem solução. Outros problemas podem surgir idênticos aos da linguagem escrita. Exemplo : o sinal de "OK", "tudo bem", na sociedade estadunidense. Todos conhecem e o mesmo sinal, no Brasil, é uma ofensa grave. Linguagem regional desenhada com potencial de sérios conflitos. Os "contratos visuais", por mais belos que sejam do ponto de vista estético, muitas vezes irão terminar juntados a uma petição inicial ou contestação num processo judicial. Aí, teremos um juiz interpretando, além das cláusulas escritas, os desenhos que as explicam (ou iludem). Questões sobre simulação, imagem abusiva, etc. E vai que o juiz se aventura a demonstar, também através de desenhos, a sua fundamentação para, também, EXPLICAR ... E o tribunal não vai deixar por menos, contratando, inclusive, "experts" em desenhos para espancar quaisquer dúvidas. Não seria muito mais lógico aperfeiçoar a linguagem, que está ao alcance de todos num teclado de computador e na consulta a uma boa gramática ?

Não, precisa é se comunicar, doutoras

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

A substituição da linguagem escrita por desenhos como propõem as articulistas não é a solução para os problemas de comunicação na linguaguem escrita (e falada). O fato de existirem pessoas em diferentes graus de instrução e, pior, com linguaguem regional, além do vocabulário jurídico próprio, não atesta nenhuma necessidade de substituir a linguaguem escrita por desenhos. Atesta, isso sim, a necessidade de voltar a atenção para a linguagem e a forma de seu aprendizado, assim como na prática cotidiana. Exemplo : uma campanha para que as pessoas melhorem a linguaguem de suas postagens escritas em redes sociais (ninguém vai querer "ficar mal" na rede social). Idem, nos textos das peças forenses (todas: petições, pareceres, laudos, sentenças, acórdãos). Não estou dizendo que fica proibido desenhar. Quem quiser, pode desenhar à vontade. Apenas, estou defendendo que se analise e aperfeiçoe a linguaguem escrita.

Agradecimento!

Clarissa Amaral Silva Freitas Brandão (Advogado Assalariado - Civil)

Olá Dra. Rejane, somos gratas por sua leitura atenta e por seu comentário. Também concordamos que o aperfeiçoamento da linguagem escrita leva à uma melhora na comunicação. O que buscamos trazer, para além desse ponto, são evidências de que representações pictóricas auxiliam no processamento de informações, tornando-o mais eficaz. Dessa forma, os “Contratos Visuais”, que combinam desenhos a uma escrita clara e concisa, se apresentam como uma alternativa promissora aos contratos que são apenas escritos.

Comentar

Comentários encerrados em 22/05/2022.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.